Smart contracts: usos e limitações no mundo real

Smart contracts ou Contratos inteligentes podem ser simples, como uma camada de pagamento Bitcoin. Ou podem ser complexos, como um aplicativo descentralizado em execução na blockchain da Ethereum. Em sua forma mais básica, são contratos programados que são acionados automaticamente quando suas condições descritas são atendidas.

Os smart contracts são projetados para pegar os intermediários tradicionais que nos ajudam a formar acordos vinculativos no mundo real e substituí-los por código. O conceito de smart contract é anterior ao Bitcoin. Eles foram descritos pela primeira vez pelo criptógrafo Nick Szabo em 1996, em um artigo intitulado Smart Contracts: Building Blocks for Digital Markets.

De acordo com sua definição, um smart contract é um “conjunto de promessas, especificadas em formato digital, incluindo protocolos nos quais as partes cumprem essas promessas”. Ou, como Szabo se referiu a eles em termos mais simples, pense em uma máquina de venda automática onde “dinheiro + seleção de lanche = lanche dispensado”.

Quão inteligente deve ser um smart contract

A blockchain da rede Ethereum tende a ser mais comumente associado a smart contracts. É também o lar do ERC-20: um padrão técnico que permite que novos tokens sejam facilmente criados na rede Ethereum. Muitas outras blockchains, no entanto, também estão tentando se posicionar como plataformas líderes para a criação de contratos inteligentes.

Mesmo o Bitcoin, projetado para servir principalmente como uma plataforma descentralizada para lidar com transações financeiras, pode hospedar smart contracts – embora bastante simples. smart contracts na rede bitcoin normalmente usam linguagens de programação como Script para realizar ações condicionais específicas. Um exemplo bem conhecido é a Lightning Network, uma rede de pagamento de segunda camada que aproveita smart contracts para acionar a liquidação na blockchain. Os smart contracts construídos no Bitcoin são geralmente caracterizados pela simplicidade, o que tende a torná-los robustos, mas mais lentos para desenvolver.

Leia também: Por que o desenvolvimento do Bitcoin é tão conservador?

O Ethereum, no entanto, foi projetado especificamente para permitir aplicativos descentralizados (dApps) e smart contracts. Seu uso de linguagens de programação flexíveis, como Solidity, o tornou uma escolha extremamente popular para desenvolvedores que desejam criar aplicativos que operam diretamente na rede Ethereum.

Como os smart contracts estão sendo usados hoje?

Hoje, alguns dos maiores ativos digitais por valor de mercado são construídos em torno de contratos de token ERC-20. Sites como o Etherscan.io permitem visualizar todos os tokens digitais que utilizam esse padrão.

Os contratos inteligentes permitem o financiamento descentralizado (DeFi), que atualmente é responsável por seus casos de uso mais significativos e difundidos. Esses projetos permitem que os usuários acessem os tipos de serviços financeiros que você normalmente espera que um banco ou plataforma de negociação forneça – sem depender das próprias instituições financeiras.

E muitos desses projetos, usuários e instituições bloqueiam intencionalmente seus ativos para fornecer liquidez ou servir como garantia. Eles são recompensados ​​com a capacidade de receber juros sobre suas participações ou fazer empréstimos. Até o momento, um total de mais de US$ 40 bilhões em ativos digitais está supostamente bloqueado em projetos DeFi que facilitam serviços como empréstimos e negociações descentralizados.

Atualmente, as exchanges descentralizadas (dex) são um dos usos práticos mais fortes para smart contracts. A maioria das criptomoedas ainda é comprada em exchanges pertencentes a empresas que impõem taxas e limites ao comportamento dos investidores. Em uma exchange descentralizada, no entanto, os contratos inteligentes são usados ​​para permitir automaticamente que as pessoas comprem e negociem ativos digitais. Sua liquidez geralmente é obtida de usuários que voluntariamente bloqueiam algumas de suas próprias participações para receber juros.

Leia também: Por que você não deve deixar criptomoedas nas corretoras

Nos bastidores, as exchanges descentralizadas geralmente compreendem dois smart contracts e uma interface de usuário front-end. Eles permitem que os clientes troquem moedas ou tokens específicos sem o envolvimento de terceiros. Essencialmente, eles operam como ‘máquinas de venda’ peer-to-peer que permitem que os usuários convertam ativos digitais sem precisar depender de um provedor centralizado, como uma bolsa ou mesa de negociação.

Smart contracts também estão sendo usados ​​atualmente para tentar redefinir como medimos a atenção do público e os dados do usuário. Por exemplo, um token construído na blockchain Ethereum faz uso de smart contracts para pagar os usuários por assistirem a anúncios e fornecer receita diretamente aos editores. Esse tipo de aplicativo mostra como os smart contracts podem ajudar a minar plataformas centralizadas intrusivas, como Facebook Ads e Google Adsense.

Outros tokens estão tentando usar smart contracts para coordenar o armazenamento descentralizado de dados e o compartilhamento de arquivos. Eles visam servir como alternativas às soluções de armazenamento de arquivos centralizadas que são frequentemente criticadas por falta de transparência e incapacidade de atender às necessidades em constante mudança dos consumidores. No momento atual, no entanto, nenhum desses projetos conseguiu criar uma solução amplamente adotada.

Superando as limitações dos smart contracts

Os smart contracts são frequentemente elogiados como uma das características definidoras do movimento das criptomoedas, mas colocá-los em contexto no mundo real pode ser um desafio. Atualmente, eles são usados ​​com mais frequência para lidar com eventos on-chain e permitir serviços financeiros descentralizados.

No entanto, o surgimento de “redes oracle” descentralizadas permite que blockchains interajam com informações fora da cadeia. Isso significa que os projetos podem alimentar dados de blockchains do mundo real, como informações financeiras, APIs, dados da Internet das coisas (IoT) e muito mais. Isso poderia, em teoria, permitir que os smart contracts se expandissem para além do setor de criptomoedas.

Um uso inicial de oráculos pode ser encontrado em mercados de apostas peer-to-peer. Como os oráculos são capazes de buscar informações de fora da blockchain, os usuários podem apostar no resultado de um jogo de futebol, no clima ou em qualquer outra coisa por meio de aplicativos de jogos descentralizados. À medida que essa tecnologia atingir maturidade, os smart contracts podem permitir acordos entre pares também no mundo real e até registrar a entrega de mercadorias físicas usando sensores RFID.

Como os smart contracts estão se tornando mais refinados

Quanto ao desenvolvimento de smart contracts, novas blockchains estão surgindo com frequência na tentativa de superar as limitações atuais, como a alta demanda de recursos. Com a crescente popularidade de algumas dessas blockchains, também estamos vendo um número crescente de projetos se tornarem independentes de blockchain. Isso significa que alguns tokens líderes são compatíveis com outras blockchains além da rede Ethereum, e estão essencialmente protegendo suas apostas caso novas chains se mostrem mais seguras e menos exaustivas em recursos.

Quando se trata de Bitcoin, seu recurso OP_Return tem sido uma das maneiras mais fáceis de criar e cumprir um contrato para o usuário médio, e as exchanges ponto a ponto podem aplicar os recursos multiassinatura nativos do Bitcoin para proteger os fundos negociados. Esses contratos são robustos, mas extremamente limitados. Os tipos de projetos complexos de DeFi vistos em chains projetadas para hospedar smart contracts, como o Ethereum, estão atualmente fora de alcance. No futuro, os contratos do Bitcoin na Lightning Network usando RGB podem ser uma maneira de expandir seus recursos de smart contract sem comprometer a resiliência da rede.

Para onde vamos daqui?

Obstáculos significativos atualmente impedem a verdadeira adoção de smart contracts. Apesar de gerar muito hype, contratos mal codificados e promessas excessivamente zelosas resultaram anteriormente em perdas de vários milhões de dólares para os usuários. Smart contracts programados no Ethereum e chains semelhantes podem ser muito mais ambiciosos do que seus equivalentes Bitcoin. No entanto, isso pode ocorrer à custa de projetos fortemente centralizados ou impactando negativamente o desempenho da rede, como consequência de chegar ao mercado muito antes de estarem prontos.

No geral, a capacidade de estender smart contracts além do contexto das criptomoedas pode desafiar a necessidade de intermediários em uma ampla variedade de outros setores. A confiança muitas vezes pode ser um recurso escasso no mundo de hoje, e ter uma maneira de substituir intermediários por programas confiáveis ​​e transparentes seria extremamente lucrativo. Por enquanto, no entanto, os smart contracts estão mais equipados para uso no mundo multibilionário das finanças descentralizadas.

fonte: blog.trezor.io