Por que o desenvolvimento do Bitcoin é tão conservador?

Em um mundo onde os aplicativos de software recebem atualizações semanais e podem liberar quantas correções quiserem, a rede Bitcoin encontra-se abraçando uma forma racional de conservadorismo. À medida que a camada base converge para a ossificação, tornando-se mais rígida em seu funcionamento, os desenvolvedores também trazem otimizações opcionais que não quebram o consenso entre os nós.

Para os novatos, pode parecer que nada de novo acontece no reino Bitcoin. O fato de que as altcoins experimentam todos os tipos de ideias e utilizam recursos altamente comercializados também contribui para essa percepção distorcida. Afinal, Bitcoin é software, e se ele realmente tem os melhores desenvolvedores do setor, por que não faz jogos VR no blockchain com imagens de vídeo de armazenamento em nuvem tokenizado? Por que o cultivo de rendimento DeFi acontece em outras redes?

Bem, antes de mais nada, Bitcoin é um hard money e os usuários concordam com o caso de uso do ouro digital. Em segundo lugar, a rede é descentralizada o suficiente para eliminar propostas indesejadas e desnecessárias. Cada Full Node é um eleitor soberano que escolhe seu cliente de software preferido e otimizações, ao mesmo tempo que concorda com as regras fundamentais da rede.

Recusar-se a executar o código dos desenvolvedores faz parte da teoria dos jogos. Ao optar por sair e não permitir que nenhum assistente de código se torne um tirano da rede, a descentralização só é maximizada. Dessa forma, os desenvolvedores são desincentivados de trabalhar em software contencioso. E, quando uma solução sob demanda é proposta, os usuários esperam testes rigorosos e revisão por pares.

Soft Forks e teoria dos jogos do Bitcoin

Os soft forks são essencialmente linhas extras de código que são adicionadas a um Full node Bitcoin para atingir vários objetivos. Eles são não contenciosos, no sentido de que sua inclusão ou exclusão não quebra o consenso e causa uma divisão da rede (que é o resultado de hard forks mal coordenadas). Para defender o conservadorismo do Bitcoin, examinaremos duas das propostas de melhoria mais populares: Taproot e SegWit.

O Taproot foi proposto pela primeira vez pelo desenvolvedor do Bitcoin Core Gregory Maxwell em janeiro de 2018 e visa melhorar a privacidade e a funcionalidade multisig da camada de base. Quase três anos depois, o código está quase completo e contém apenas 520 linhas. Isso significa que, em média, todas as linhas são revisadas há quase dois dias. Atualmente, o Taproot está ativado.

Mesmo se a revisão inicial por pares for aprovada e a proposta passar para a fase de adoção, demorará um pouco para convencer os membros da comunidade a executar o código em seus nós. Em setembro de 2020, há um processo de negociação em andamento para convencer os usuários, pools de mineração, bolsas e desenvolvedores de carteira a apoiar a proposta. Mas, como sempre, os Full Nodes só adicionarão o código extra se seus operadores soberanos encontrarem benefícios objetivamente úteis que foram testados adequadamente.

Por outro lado, o SegWit (que recebeu votos extremamente favoráveis de desenvolvedores, pools de mineração e bolsas em 2017) ainda se encontra em torno da marca de 50% em termos de adoção. Isso significa que três anos após os nós individuais começarem a ativar o soft fork, metade da rede ainda não está executando essa correção de maleabilidade.

Na ausência de ditadores benevolentes para impor um roteiro ou agenda, o Bitcoin depende da desconfiança e da verificação constante. Independentemente da decisão de alguns usuários de executar código extra em seus Full Nodes, os outros podem optar por não fazer isso e ainda estar em sincronia com o resto da rede.

Velocidade de desenvolvimento e de adoção de novos recursos claramente não estão entre as prioridades dos bitcoiners. A maioria dos usuários apontará a ossificação da camada de base e os efeitos Lindy (quanto mais tempo algo sobrevive, mais tempo tem a probabilidade de sobreviver e permanecer relevante) como razões para seu conservadorismo. Embora recursos extras possam ser bons, eles não devem vir às custas de mudanças radicais ou complexidade desnecessária – como alguns dos mais competentes especialistas da área dirão, a complexidade é inimiga de uma segurança boa e facilmente auditável.

Desenvolvimento do Bitcoin vs Altcoin

Esta abordagem lenta e constante para o desenvolvimento do Bitcoin é drasticamente contrastada pela filosofia “mova-se rápido e quebre as coisas” dos contendores do altcoin. Algumas redes estão muito mais preocupadas em oferecer recursos que possam ser comercializados do que em garantir que tudo funcione da maneira mais eficiente possível. Isso se deve principalmente à centralização desses projetos.

No caso do Ethereum, é muito mais fácil aplicar um roteiro e fazer alterações na camada de base. Não só que há um precedente inicial para quebrar a imutabilidade por meio de reversões, mas também há fundadores que defendem a “governança” (intervenção humana em questões relativas ao protocolo, que substitui “código é lei” por política).

Como cofundador e ditador benevolente da rede, Vitalik Buterin pode tomar decisões para acelerar a integração de alguns recursos ou se afastar de certas prioridades de desenvolvimento. Da mesma forma, a Fundação Ethereum pode decidir para onde vai o dinheiro para diferentes projetos. Em termos de Full Nodes, o Ethereum é muito menos descentralizado e tem problemas com Nodes de arquivamento completos (reconhecidamente, nem mesmo Vitalik Buterin executa um). Mesmo no caso da migração para outra rede, parece haver muito pouca oposição e muita coordenação.

A situação só piora com outras altcoins que mal conseguem reivindicar o direito de usar o rótulo “descentralizado”. Para seu crédito, isso significa que eles são livres para experimentar mais com os novos recursos e se preocupar menos com as consequências. Mas a capacidade de ativar o SegWit antes do Bitcoin ou adicionar assinaturas Schnorr e Taproot no meio dos debates de adoção do Bitcoin não implica realmente em inovação. Da mesma forma, replicar o design do Ethereum para capitalizar sobre a DeFi mania é tão míope quanto.

Apenas as principais redes têm o desenvolvimento mais consistente e robusto em sua classe, enquanto outros projetos simplesmente copiam e alteram parâmetros. Isso é bom para teste de código, mas torna os investimentos arriscados em projetos que provavelmente irão falhar.

Dadas essas circunstâncias, não é de se admirar que os novatos aceitem facilmente a narrativa do “dinossauro”. De acordo com essa perspectiva, o Bitcoin só lidera o mercado por causa do reconhecimento de sua marca e da vantagem de ser o pioneiro.

Consequentemente, esses defensores dirão que suas redes “mais rápidas” e teoricamente “mais descentralizadas” irão inevitavelmente destronar o rei. Afinal, por que tanto desenvolvimento vai para os aplicativos DeFi, enquanto o Bitcoin demorou anos para adicionar o Taproot depois de anos de deliberação? Por que a adoção do SegWit e da Lightning Network é tão baixa, e por que não existem líderes de pensamento que pressionam todos a seguir o mesmo caminho e usar o Bitcoin da maneira que a narrativa oficial diz?

O bitcoin tem medo de mudar?

Tudo isso tem a ver com a descentralização e pode parecer contraintuitivo este mundo de ditaduras benevolentes e seus jardins murados. Eventualmente, as segundas camadas e side chains do Bitcoin podem acabar integrando tudo de bom que vemos hoje em altcoins – exceto que eles serão construídos em uma camada de base mais robusta que usa dinheiro sólido para pagamentos. Correspondentemente, a camada de base irá solidificar a tal ponto que as adições se tornam extremamente raras.

O Bitcoin, apesar de seu conservadorismo, continua sendo a criptomoeda mais popular e descentralizada. Suas transações são as mais seguras e garantem o maior grau de finalidade, e seus incentivos de rede funcionam há mais tempo. No entanto, se a lentidão da adoção incomoda qualquer usuário, existem alternativas suficientes – de segunda camada a sidechains e altcoins de privacidade – esses usuários podem escolher o que é melhor para eles.

A competição é saudável e necessária para melhorar a usabilidade, recursos e protocolos, e resulta em um sistema descentralizado mais seguro. Também é útil testar o mesmo código em diferentes implementações que atendem a casos de uso distintos. E se a camada de base do Bitcoin não fornece um determinado recurso em um determinado ponto quando é absolutamente necessário neste clima político turbulento, há um mercado para alternativas que existem tanto no cima do Bitcoin quanto fora dele. O que importa agora é a descentralização e a mudança baseada no consenso.

Melhorias prometidas para privacidade e dimensionamento, como  foi o caso do Schnorr e Taproot ainda são esperadas, e tornarão o Bitcoin mais robusto e pronto para adoção generalizada. Enquanto isso, a pesquisa e a experimentação ainda estão vivas no Bitcoin e as propostas de melhorias de protocolo mais recentes, como o Prism, poderiam implementar a tecnologia de gráfico acíclico dirigido (DAG) para melhorar a escalabilidade.

Bitcoin é a criptomoeda mais segura e a reserva de valor mais eficaz que temos atualmente, e qualquer crítica a ele deve levar em consideração a teoria dos jogos em funcionamento que está envolvida na fusão de novos códigos. Afinal, todos nós conhecemos a história da lebre e da tartaruga: devagar e sempre ganha a corrida.

Texto original em: blog.trezor.io