Ebook – Esquerda e direita – Perspectivas para a liberdade

Grátis, faça o cadastro para receber o link para download.

Autor: Murray N. Rothbard

Titulo do original: LEFT, RIGHT, AND THE PROSPECTS FOR LIBERTY

Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges

Disponível nos formatos: PDF, EPUB, MOBI

R$0,00

Valor estimado para pagamento com criptomoedas.

Introdução

Os LIBERTÁRIOS, habituados à estimulante liderança intelectual de Murray Rothbard, talvez não se lembrem de que ele foi também um dos primeiros a desenvolver o pensamento libertário. Como fundador e editor-chefe da revista Left and Right, contribuiu para desvincular esse movimento de sua associação popular e acadêmica com a opinião de direita. Para sua vergonha, os intelectuais norte-americanos – sobretudo após o New Deal – procuraram obliterar a identificação histórica entre liberalismo e oposição à usurpação das liberdades e dos direitos do indivíduo pelo governo. Mais ainda, esqueceram que o antiestatismo e o antimilitarismo sempre fizeram parte do liberalismo histórico. Muitos valores liberais tradicionais caíram assim em mãos dos conservadores, que interpretaram a liberdade de acordo com sua própria posição privilegiada dentro do moderno estado previdenciário-militarista. Tudo isto foi denunciado por Rothbard e seus companheiros nos incisivos artigos que publicaram em Left and Right, encabeçados pelo texto inicial escrito pelo próprio Rothbard, no primeiro número da revista, na primavera de 1965. É pois um prazer colocar ao alcance de novos leitores o clássico ensaio de Rothbard, Esquerda e Direita: perspectivas para a liberdade. O autor monta a cena situando com precisão o conservantismo no plano de fundo do Ancien Regime. Esta era a Velha Ordem do feudalismo, da “sociedade do status” de Maine e da “sociedade militar” de Spencer. Sob a influência do Iluminismo do século XVIII e das revoluções ocorridas na Inglaterra, na América do Norte e na França, bem como na Revolução Industrial, a humanidade desvencilhou-se dos grilhões do estado absoluto e da Igreja. “A Velha Ordem foi, e ainda é, o grande e poderoso inimigo da liberdade”, escreve Rothbard. Por um breve espaço de tempo, porém, no século XIX, o liberalismo “trouxe para o Ocidente não apenas a liberdade, a perspectiva da paz e os padrões de vida ascendentes de uma sociedade industrial, mas, talvez acima de tudo, trouxe esperança, a esperança num progresso cada vez maior, que tirou a maior parte da humanidade de sua imemorial fossa de estagnação e desesperança”. Rothbard insere portanto o liberalismo na grande tradição radical da esperança e da liberdade, em oposição à avaliação pessimista da natureza do homem e de suas perspectivas, própria do conservantismo. O declínio do liberalismo começou, afirma Rothbard, quando “os direitos naturais e a teoria da ‘lei maior’ foram deixados de lado em favor do utilitarismo”, e com o “evolucionismo, ou darwinismo social, que desferiu o golpe final sobre o liberalismo como força radical na sociedade”. O socialismo, que tomou o lugar do liberalismo radical como o partido “da esquerda”, logo se viu presa de uma contradição interna. Ao invés de ter o estado desaparecido ou definhado aos poucos, como postularam, respectivamente, Bakunin e Marx, o coletivismo tornou-se ele próprio um gigantesco estado. Além disso, como os historiadores há muito o reconheceram, os socialistas de direita (os fabianos na Inglaterra, por exemplo) apoiaram o imperialismo, enquanto os partidos socialdemocráticos da Europa, abandonando seu pacifismo, tomaram posição ao lado do estado e da nação por ocasião da Primeira Guerra Mundial. Embora ambos tenham assumido na prática um caráter indubitavelmente estatista e totalitário, Rothbard estabelece uma distinção entre o radicalismo revolucionário original dos soviéticos e o coletivismo contrarrevolucionário de direita do fascismo. Quando os oponentes conservadores do programa coletivista do New Deal o associaram a conspiradores de esquerda, destaca Rothbard, surgiu da parte de “alguns libertários a enorme tentação de perseguir o comunismo”. Mas o New Deal, afirma ele, foi essencialmente um movimento conservador, herdeiro daquele tipo de progressismo conservador que Gabriel Kolko e outros associaram ao período de Theodore Roosevelt e Woodrow Wilson. Libertários como H. L. Mencken e Albert Jay Nock uniram-se a liberais do velho estilo, ou a conservadores, na oposição à administração de Roosevelt, que se teria tornado demasiado coletivista para seu gosto – uma administração que estava também voltada para a guerra. Além disso, em contraste com o lugar que ocupavam no espectro ideológico durante outras guerras travadas pelos Estados Unidos no século XX, as forças pacifistas e isolacionistas foram dessa vez identificadas com a “direita”. Entretanto, quando, depois da Segunda Guerra Mundial, os conservadores voltaram a ser favoráveis à guerra total sob a forma da guerra fria, os libertários num primeiro momento os acompanharam. Nas palavras de Rothbard, “os liberais tinham perdido completamente sua identidade e suas diretrizes ideológicas tradicionais”. A partir dessa confusão, posta em realce pela guerra do Vietnam, os libertários retornaram ao pacifismo e ao antiestatismo históricos, característicos da tradição liberal. O ensaio de Rothbard, escrito em 1965, ajudou a indicar o caminho; combateu também a noção liberal modernista, tão popular entre a “Velha Esquerda”, de que liberdade política e liberdade econômica pertencem a campos distintos. Somente a liberdade, e somente um mercado livre, como afirma Rothbard, “podem organizar e manter um sistema industrial”. Em vez de um planejamento coletivista, a própria complexidade do sistema industrial moderno – acima da capacidade de compreensão e de gestão de qualquer grupo de planejadores – exige a disciplina automática do laissez-faire e do mercado livre. Os países comunistas veem-se hoje forçados a dessocializar suas economias de escassez e de ineficácia, justamente quando emerge uma geração mais jovem de libertários de Nova Esquerda para questionar as velhas platitudes do estado previdenciário-militarista. Por tudo isto, Rothbard mostra-se confiante em que “embora as perspectivas a curto prazo para a liberdade nos Estados Unidos e no exterior possam parecer sombrias, a atitude adequada ao libertário è a de um inextinguível otimismo quanto aos resultados finais”. Arthur A. Ekirch, Jr. Novembro de 1978 Albany, New York

Blog

Reviews

Comparativo das Carteiras Trezor

As carteiras de hardware Trezor são dispositivos altamente seguros para o armazenamento de criptomoedas, desenvolvidas pela SatoshiLabs.

Este artigo é um comparativo entre os modelos Trezor Safe

Leia mais